Quando o meu filho atinge meu limite, por Priscila Lambach

Ninguém gosta de perder a cabeça. Não importa em qual situação, lugar ou momento, isso é sempre ruim.

Quando não conseguimos nos controlar, agimos por impulso e depois olhamos para trás e percebemos que nossa reação poderia ter sido diferente, dá um aperto no coração!

Nenhum de nós é robô, trabalhando no automático. Há momentos em que o autocontrole falha. O copo transborda, o sangue sobe.

Conversando com 21 mães, perguntei o que as tirava do sério, e o que faziam para se acalmar.
As respostas foram bastante parecidas. A situação mais caótica e “campeã” entre as mães foi a birra em local público.

Sem dúvida é horrível presenciar essa cena. Criança gritando, deitada no chão; adolescente que sai batendo em tudo; qualquer que seja a manifestação desse tipo, deixa qualquer um desconfortável. Até mesmo as pessoas mais calmas, se abalam.

Em segundo lugar, foi eleita a mudança de comportamento com familiares e amigos. Situação em que a criança passa a falar mal de você na presença dos outros. Isso coloca você “para baixo”, “denuncia” suas atitudes mais insensatas, fala que você disse o que não disse, apenas para citar alguns exemplos.

Já presenciei muitos (muitos mesmo) casos em que o namorado e/ou namorada fica difamando o outro em um evento e, até mesmo entre adultos, essa situação é constrangedora. Acho super desagradável! Tem o efeito rebote: passo a admirar menos a pessoa “delatora”, pois ninguém precisa rebaixar o outro para se sobressair. Ainda mais alguém por quem se tem carinho ou afeto.

Desobediência também tira qualquer um do sério.

As mães disseram que detestam precisar repetir a mesma coisa milhares de vezes, e se sentem desrespeitadas quando os filhos parecem não ouvi-las.

Realmente, o mundo “perfeito” seria aquele em que todos fizessem as suas vontades sem magoar ninguém, não é mesmo? Ou, as coisas podiam ser como antigamente, em que um olhar paterno ou materno bastava para impor limites. Mas, não é bem assim.

Muitas vezes, a criança não se dá conta de que está desrespeitando as regras. Precisamos, nessas horas, parar para refletir o motivo dessa desobediência. Ocorre que as vezes o filho não entendeu bem o comando que você deu, o pedido que você fez: a mensagem não estava clara para ele. Ou, simplesmente, a criança não estava de acordo com a ordem recebida, que lhe foi imposta de cima para baixo, sem espaço para argumentação. Cabe sempre conversar.

A agressão também apareceu entre as angústias maternas. A importância dessa atitude nos leva a refletir sobre alguns fatores. Um deles é a faixa etária do pequeno.

Crianças que ainda não possuem o domínio da fala, podem morder, bater, chutar, por não conseguirem se expressar em palavras. É a maneira que elas encontram de mostrar que estão em desacordo. Sem dúvida, é necessário dizer que aquele comportamento não é aceitável com voz firme e segura. Não é porque o filho é pequeno que os acessos de raiva devam ser ignorados.

Nunca é cedo para impor limites, não é mesmo?

E o que essas mães fazem para se acalmar nessas situações por elas vivenciadas e que as tiram do sério?

O mais interessante é que praticamente TODAS responderam a mesma coisa: respiram fundo!

Contam até 10 (dez), afastam-se momentaneamente da situação para não explodir, vão ao banheiro respirar, chorar, se descabelar. Algumas pedem ajuda a Deus, elevando uma prece. A grande maioria precisa desse tempo sozinha para se recompor. Nenhuma mãe quer perder a cabeça. Essa pausa para evitar uma situação indevida, e que talvez possa ser motivo de arrependimento (o que por certo virá), parece funcionar brilhantemente.

Foi unânime! O que fazer quando o filho atinge seu limite? As próprias mães chegaram à resposta. O melhor é algo que universalmente pode e é feito: RESPIRAR!

Por  Priscila Lambach  ( Pedagoga / Mestra em Psicologia da Educação )

http://www.perspectivaop.com/

Contato:
(11) 98301 8990

perspectivaop@gmail.com

Rua Vergueiro, 1421  – Torre Sul
Vila Mariana | São Paulo/SP
Ao lado do Metrô Paraíso

Tags

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Busca

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content

Anália Franco: 11 99568-7320
Morumbi: 11 93040-2110

Escola de Teatro

Agende uma aula experimental
Whatsapp 11 96591 9915

Parceiros

Facebook

  • Mais Acessados
  • Arquivo

Quem Escreve

Ana Paula

Sou Ana Paula Alcântara Porfírio, trabalho em horário integral como mãe, sou casada, com um príncipe chamado Júnior, tenho dois filhos a Manuella e o Arthur, que fazem meus dias mais felizes!

Vou dividir com vocês nossos passeios, dicas de programas com crianças, experiências e sentimentos da maternidade!