No Livro, Tudo Tem!

A peça traz à cena um país fictício chamado Penúria. Certa vez, a maior biblioteca do país teve suas portas fechadas, para que os livros fossem investigados pelo Capitão Bigode de Limão e sua tropa.

A missão era determinar quais livros poderiam ou não ser lidos pela população. O Sr. Formicarius, o velho bibliotecário apaixonado pelos livros, não admitia que um livro sequer fosse proibido. Na busca por fazer o capitão mudar de ideia, contou com a ajuda de suas velhas companheiras, as Traças. Do lado de fora, as crianças não se conformavam com a interdição da biblioteca. O que será que vai acontecer? Será que os livros serão proibidos?

De forma divertida e lúdica, os artistas incentivam com este espetáculo a leitura e a imaginação. Dos livros saem rainhas e navios, e entre músicas criadas especialmente para a peça, o público pode viajar e curtir esta grande aventura, saindo com a certeza de que, “No livro, tudo tem!”.

 Sobre a montagem

Para a criação do espetáculo, Carlos Escher partiu de estudos teóricos sobre leitura na infância para estimular a pesquisa do tema: porque se lê tão pouco e como estimular o contrário nas crianças, utilizando o teatro como ferramenta? Instaurou nos ensaios uma prática coletiva em que elenco, direção, cenografia, figurino, preparação musical e preparação corporal se relacionassem, contribuindo e criando juntos, tendo como base os métodos de atuação de Stanislavski e Brecht. Dentre algumas das referências para este trabalho estão as histórias de tradição oral e as histórias sobre pirataria; autores como Luís da Câmara Cascudo, Italo Calvino, Voltaire, Cervantes; e os filmes de Charles Chaplin e Dr. Fantástico, de Stanley Kubrick. Referências estas que se transformaram em provocações para as improvisações e experimentos cênicos, com base nos quais produziram a dramaturgia do espetáculo.

A cenografia criada por Gabriel Stippe traz para o palco o universo da biblioteca, com livros espalhados pelo palco. Dos livros saem o mar, barcos, piratas e até uma rainha. O trabalho com o figurino, realizado por Cássio Brasil, partiu de um estudo sobre roupas e indumentárias usadas pela guarda real, e conta com fardas, botas e quepes. Com a intenção de chegar a um figurino lúdico, Cássio optou pela confecção de roupas originais, que dialogam diretamente com a peça e com o universo da criança.

As canções executadas durante a peça são um espetáculo a parte. Com letras que contribuem para a narrativa, elas entram em cena como se fossem brincadeiras, divertindo e convidando e estimulando o público a imaginar o fundo do mar, tempestades e fogos de artifício. A direção musical de Gabriel Stippe partiu de sonoridades dos anos vinte e trinta, sobretudo as trilhas de Charlie Chaplin, e criou letras e arranjos exclusivos, utilizando instrumentos como kazoos, apitos, violão, acordeon e alguns outros construídos com sucata.

No Livro, Tudo Tem!
Dia 26 de maio, às 15h
Evento Gratuito (Retirar ingressos com 01h de antecedência)

Classificação: Livre

Tendal da Lapa
Rua Guaicurus, 1.100 – Água Branca
Telefone: 11 3862-1837
Estacionamento: Grátis (Rua Constança, 72)

Tags

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Busca

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content

Anália Franco: 11 99568-7320
Morumbi: 11 93040-2110

Escola de Teatro

Agende uma aula experimental
Whatsapp 11 96591 9915

Parceiros

Facebook

  • Mais Acessados
  • Arquivo

Quem Escreve

Ana Paula

Sou Ana Paula Alcântara Porfírio, trabalho em horário integral como mãe, sou casada, com um príncipe chamado Júnior, tenho dois filhos a Manuella e o Arthur, que fazem meus dias mais felizes!

Vou dividir com vocês nossos passeios, dicas de programas com crianças, experiências e sentimentos da maternidade!