Obesidade Mórbida Infantil: O que pode ser feito para mudar este cenário?

De acordo com o Ministério da Saúde, 12,9% das crianças brasileiras entre 5 e 9 anos são obesas. A condição é um fator ainda mais preocupante conforme a projeção da Organização Mundial da Saúde (OMS), que aponta: até 2025, o número de crianças obesas no mundo pode chegar em até 75 milhões. Para conscientizar a população sobre a importância da alimentação de qualidade e a prevenção da doença ainda na infância, o dia 3 de junho é marcado como o Dia da Conscientização Contra a Obesidade Mórbida Infantil.
É fato que nos últimos anos, as pessoas têm ficado mais sedentárias e a condição inclui também as crianças, com mais acesso a videogames, celulares e novas tecnologias, que ocuparam o lugar das brincadeiras de rua ou com os amigos. Além disso, pela “praticidade” ou por falta de recursos, muitas vezes, a alimentação tem recebido cada vez mais produtos industrializados e processados. A junção destes fatores acaba resultando no ganho de peso que, com o tempo, pode levar à obesidade entre outros problemas de saúde, comenta Carlos Eduardo Chagas – pediatra do Trasmontano Saúde.
Vale ressaltar que a comorbidade aumenta a possibilidade de desenvolver doenças crônicas como diabetes, pressão alta e doenças no coração, que podem levar a uma morte precoce na fase adulta. Segundo o Ministério da Saúde, crianças acima do peso possuem 75% mais chances de se tornarem adolescentes obesos, que consequentemente, tem 89% mais chances de se tornarem adultos obesos. Por esta questão, é muito importante um olhar atento para a alimentação e a prática de esportes dos pequenos, para evitar futuros problemas.
Além disso, é primordial reforçar o papel dos pais na qualidade da alimentação de seus filhos. Nesse sentido, apesar de todas as dificuldades por conta de rotina de trabalho entre outros pontos, é importante que os pais tenham uma programação para ofertar aos seus filhos alimentos naturais, saudáveis e equilibrados para o bom desenvolvimento das crianças. Afinal, ter uma dieta adequada até o sétimo ano de vida propicia à criança ter um bom desenvolvimento neurológico. No fim das contas, a obesidade vai contra este desenvolvimento. Enganam-se os pais que ainda acreditam que estar obeso é estar saudável.
Uma alimentação variada com legumes, verduras, frutas e outros vegetais e rica em nutrientes, além da diminuição de consumo de produtos industrializados, pode ajudar neste cenário. Pratos coloridos e criativos incentivam a criança a consumir mais desses produtos naturais. Os limites também são de suma importância quanto ao consumo de açúcar e outros produtos industrializados, como salgadinhos, bolachas e petiscos.
O incentivo à prática de atividades físicas também faz a diferença nesta fase da vida. Levar a criança ao parque, andar de bicicleta e praticar esportes são hábitos benéficos à saúde. Vale lembrar que os pais servem de exemplo para os filhos e precisam adotar os mesmos hábitos recomendáveis aos pequenos. A participação da família é fundamental para o bom desenvolvimento das crianças.

Tags

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Busca

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content

Anália Franco: 11 99568-7320
Morumbi: 11 93040-2110

Escola de Teatro

Agende uma aula experimental
Whatsapp 11 96591 9915

Parceiros

Facebook

  • Mais Acessados
  • Arquivo

Quem Escreve

Ana Paula

Sou Ana Paula Alcântara Porfírio, trabalho em horário integral como mãe, sou casada, com um príncipe chamado Júnior, tenho dois filhos a Manuella e o Arthur, que fazem meus dias mais felizes!

Vou dividir com vocês nossos passeios, dicas de programas com crianças, experiências e sentimentos da maternidade!