TEATRO. Exibições online “Nerina, a Ovelha Negra”

 Baseada no livro homônimo do cartunista Michele Iacocca, a premiada opereta do grupo Maracujá Laboratório de Artes conta a história de Nerina, uma ovelha que é expulsa do rebanho apenas por ter a cor diferente das outras. Abordando a temática do preconceito racial através da atuação, música, manipulação de bonecos e recursos visuais, “Nerina, a Ovelha Negra” voltaria a ser apresentada presencialmente em São Paulo em 30 CEUs (Centros Unificados de Ensino) e cinco teatros distritais da capital. No entanto, a quarentena imposta pela pandemia do COVID -19 obrigou o grupo a adaptar o projeto para o formato online.

 

A ação, batizada de “Circulação Nerina, a Ovelha Negra”, teve inicio de forma remota no último dia 9 de novembro através da oficina “Laboratório de Artes Maracujá”. O workshop, que segue até 11 de dezembro, desenvolve diferentes técnicas experimentadas pela companhia em seus 15 anos de atividades como o teatro de sombras, stop motion, confecção de bonecos com sobras de materiais e o live animation com puppet toys (uma técnica onde bonecos em miniatura são manipulados em frente a câmeras e projetos ao vivo como em uma espécie de cinema feito ao vivo).

 

A segunda fase do projeto consiste em 10 apresentações em vídeo seguidos de bate-papos com os criativos em plataformas de streaming. A iniciativa visa, além da exibição do premiado musical, propor um debate sobre assuntos envolvendo preconceito e inclusão social. Confira a agenda completa abaixo:  

21/11 (apresentação vinculada ao Teatro Flávio Império)

11h – vídeo do espetáculo Nerina – a ovelha negra

11h50 – bate-papo com o autor Michele Iacocca

Local de transmissão: https://www.facebook.com/maracujaartes

                                    https://www.youtube.com/c/maracujalaboratoriodeartes

                              

21/11 (apresentação vinculada ao Centro de Culturas Negras)

16h – vídeo do espetáculo Nerina – a ovelha negra

16h50 – bate-papo: Jovens artistas pretos e a representatividade negra na arte.

Com os atores: Bia Sabiá, Eder dos Anjos, Renan Vinícius e Yasmin Olí.

Local de transmissão: https://www.facebook.com/maracujaartes

                                    https://www.youtube.com/c/maracujalaboratoriodeartes

 

No bate-papo, os jovens atores Bia Sabiá, Eder dos Anjos, Renan Vinícius e Yasmin Olí, que trabalham no Maracujá Laboratório de Artes e desenvolvem diversas outras ações na área cultural, irão debater sobre sua própria trajetória artística e a importância da representatividade negra na área cultural para a quebra de preconceitos.

 

22/11 (apresentação vinculada ao Teatro Flávio Império)

11h – vídeo do espetáculo Nerina – a ovelha negra

11h50 – bate-papo com o diretor Sidnei Caria

Local de transmissão: https://www.facebook.com/maracujaartes

                                    https://www.youtube.com/c/maracujalaboratoriodeartes

 

22/11 (apresentação vinculada ao Centro de Culturas Negras)

16h – vídeo do espetáculo Nerina – a ovelha negra

16h50 – bate-papo: O futuro dos baobás – a representatividade negra no teatro para crianças e jovens.

Convidados: Jefferson Brito e Rita Teles, da Cia Colhendo Contos e Diáspora Negra, com o ator Eder dos Anjos, do Coletivo dos Anjos e Maracujá Laboratório de Artes, realizando a mediação.

Local de transmissão: https://www.facebook.com/maracujaartes

                                    https://www.youtube.com/c/maracujalaboratoriodeartes

 

28/11 (apresentação vinculada ao Centro Cultural da Penha)

16h – vídeo do espetáculo Nerina – a ovelha negra

16h50 – bate-papo com a diretora musical Fernanda Maia

Local de transmissão: https://www.facebook.com/maracujaartes

                                    https://www.youtube.com/c/maracujalaboratoriodeartes

 

29/11 (apresentação vinculada ao Centro Cultural da Penha)

16h – vídeo do espetáculo Nerina – a ovelha negra

16h50 – bate-papo com o elenco do espetáculo Nerina – a ovelha negra: Bia Sabiá, Camila Ivo, Lucas Luciano, Piva Silva, Sidnei Caria, Silas Caria e Yasmin Olí.

Local de transmissão: https://www.facebook.com/maracujaartes

                                    https://www.youtube.com/c/maracujalaboratoriodeartes

No bate papo, elenco irá conversar sobre o processo de criação do espetáculo Nerina – a ovelha negra e de outros trabalhos do Maracujá Laboratório de Artes, na perspectiva do ator.

 

05/12 (apresentação vinculada ao Centro Cultural da Vila Formosa)

18h – vídeo do espetáculo Nerina – a ovelha negra

18h50 – bate-papo com a iluminadora e cenógrafa Marisa Bentivegna

Local de transmissão: https://www.facebook.com/maracujaartes

                                    https://www.youtube.com/c/maracujalaboratoriodeartes

https://www.facebook.com/ccvilaformosa

                                 

Sobre a convidada:

Iluminadora e cenógrafa paulistana, estreou no Teatro profissional em 1990. Formada na FAAP – em Publicidade e Propaganda e na Escola de Belas Artes de São Paulo no curso de Desenho Industrial. É integrante da Cia Hiato, dirigida por Leonardo Moreira, como cenógrafa e iluminadora, e no ano de 2015 teve um cenário criado para esta companhia para o espetáculo O JARDIM, selecionado para representar o Brasil na Quadrienal de Praga na República Tcheca. Também é integrante da Banda Mirim como diretora técnica, cenógrafa e iluminadora desde 2004. Tem ainda como parceiros de criação os diretores Cristiane Paoli Quito, Rafael Gomes e.Kiko Marques entre outros Atua em teatro, dança, exposições e shows musicais, tendo trabalhado em mais de 20 .países na última década. É cenógrafa convidada do Teatr Studio de Varsóvia Recebeu diversos prêmios individuais. Alguns deles: SHELL 1992 e APCA 1992 pela iluminação de O PARAÍSO PERDIDO do Teatro da Vertigem; SHELL 2010 pelo cenário de ESCURO da cia Hiato; SHELL 2011 pelo cenário de O JARDIM da Cia Hiato; APCA 2017 e Prêmio São Paulo 2017 pela cenografia e desenho de luz de Gagá, Buda e Skellig; APCA 2017 pela iluminação de Nerina – a ovelha negra.

 

06/12 (apresentação vinculada ao Centro Cultural da Vila Formosa)

18h – vídeo do espetáculo Nerina – a ovelha negra

18h50 – bate-papo com os técnicos de som e luz do espetáculo Nerina – a ovelha negra: Aragonesco, Fernando Cavalcante, Lays Somogyi, Mauricio Mateus e Rosely Marttinely.

Local de transmissão: https://www.facebook.com/maracujaartes

                                    https://www.youtube.com/c/maracujalaboratoriodeartes

https://www.facebook.com/ccvilaformosa

                                 

No bate-papo, os técnicos irão conversar sobre aspectos relacionados ao trabalho na técnica teatral e os problemas enfrentados pela categoria durante a pandemia.

 

12/12 (apresentação vinculada ao Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso)

16h – vídeo do espetáculo Nerina – a ovelha negra

16h50 – bate-papo: Processos de criação no teatro para todas as idades – com Anie Welter (Cia Noz de Teatro, Dança e Animação), Cris Lozano (Cia La Leche), Guto Togniazzolo (multiartista, atuante em vários grupos teatrais) e Jackie Obrigon (Cia Bendita)

Local de transmissão: https://www.facebook.com/maracujaartes

                                    https://www.youtube.com/c/maracujalaboratoriodeartes

https://www.facebook.com/ccjuventude                                  

                

Sobre os convidados:

No bate-papo os convidados, todos veteranos do teatro para todas as idades, irão debater sobre os processos criativos que desenvolvem em seus grupos, em espetáculos para crianças e jovens.

 

13/12 (apresentação vinculada ao Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso)

16h – vídeo do espetáculo Nerina – a ovelha negra

16h50 – bate-papo com integrantes do MOTIJ (Movimento do Teatro para as Infâncias e Juventude): Gira de Oliveira, José Geraldo Rocha e Rodrigo Andrade .

Local de transmissão: https://www.facebook.com/maracujaartes

                                    https://www.youtube.com/c/maracujalaboratoriodeartes

https://www.facebook.com/ccjuventude                                  

 

Obs.: Mais datas de apresentações e bate-papos serão divulgadas em breve

 

Uma terceira fase do projeto ainda está em preparação e envolve a produção e distribuição de CDs com músicas peça, DVDs da apresentação e uma publicação impressa com material para promover a mediação pedagógica entre professores e alunos da rede pública. Mais informações sobre essas iniciativas serão divulgadas em breve.

 

Mais informações sobre “Nerina, a Ovelha Negra”

“Educar para a igualdade racial é tarefa urgente e imprescindível para a construção da sociedade de amanhã.” História e Cultura Africana e Afro-Brasileira na Educação Infantil, 2014

 

Baseada no livro homônimo do cartunista Michele Iacocca, a premiada opereta com bonecos e atores do Maracujá Laboratório de Artes conta a história de Nerina, uma ovelha que é expulsa do rebanho só por ter uma cor diferente. Ao ir embora sozinha, ela acaba encontrando alguns lobos, que propõem usá-la como isca para atrair e devorar as ovelhas que a expulsaram, como forma de vingança. Mas Nerina vai provar que o ódio nunca é o melhor caminho, tomando uma decisão que mudará a vida de todas.

 

O espetáculo, voltado para o público de todas as idades, tem como tema o racismo, que ainda persiste em existir em nossa sociedade, sendo urgente o desenvolvimento de ações que contribuam para reeducar o olhar de todos para mudar esta situação. Levar o tema ao teatro, portanto, foi a forma que o grupo encontrou para tentar fazer sua parte nesta luta.

O espetáculo retoma a pesquisa sobre plasticidade visual na cena, utilizando o teatro físico e vídeo-cenários com puppet toys (que reproduzem os ambientes mostrados nas ilustrações do livro).

 

Todas as músicas foram compostas pelo autor do livro, Michele Iacocca, e pelo diretor do espetáculo e também do Maracujá Laboratório de Artes, Sidnei Caria. Para os arranjos, foi chamada a diretora musical Fernanda Maia (de “Urinal – o musical”, “Carrossel – o musical”, “Chaves – um tributo musical”, entre outros), que propôs brincar com as diferenças culturais trazidas pelas culturas negra e caucasiana e seus desdobramentos, com referências a música clássica europeia, o reggae, o blues e misturas sonoras como o samba, a bossa nova e o choro, que revelam musicalmente nossa miscigenação cultural.

 

São reconhecíveis clássicos da música erudita, como a valsa Danúbio Azul, de Strauss, a Nona Sinfonia de Beethoven, a Aleluia de Hendel, entre outras, em arranjos para violão executados pelo próprio elenco, que também utiliza o teclado, trombone de vara, caxixi e agogô em cena.

 

Tags

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Busca

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content

Anália Franco: 11 99568-7320
Morumbi: 11 93040-2110

Escola de Teatro

Agende uma aula experimental
Whatsapp 11 96591 9915

Parceiros

Facebook

Arquivos

Quem Escreve

Ana Paula

Sou Ana Paula Alcântara Porfírio, trabalho em horário integral como mãe, sou casada, com um príncipe chamado Júnior, tenho dois filhos a Manuella e o Arthur, que fazem meus dias mais felizes!

Vou dividir com vocês nossos passeios, dicas de programas com crianças, experiências e sentimentos da maternidade!