GRATUITO. Vento com Cia. Solas de Vento

Circo que mistura teatro, dança e música. Assim é “Vento”, o novo espetáculo da Cia. Solas de Vento, que estreia nos dias 7 e 8 de outubro de 2021, quinta e sexta-feira, às 19h, no Tendal da Lapa. Acontecem apresentações também nos dias 16 e 17/10, no Centro de Referência da Dança, às 16h, e no Teatro Municipal Flávio Império, 22 e 23/10, às 19h. Presencial e gratuito.

Cia Solas de Vento

“‘Vento’ retrata as tentativas de sobrevivência de um pequeno agrupamento humano contra as incertezas figuradas nas tempestades que os devastam. É uma poesia circense aliada à dramaturgia do gesto”, conta Ricardo Rodrigues, diretor da companhia ao lado de Bruno Rudolf.

Estabelecido o quarteto, os artistas foram para a sala de ensaio com o dramaturgo e poeta Bobby Baq para desenvolver o espetáculo, de forma colaborativa. Aos poucos, surgiram cenas e situações onde as personagens levantadas pudessem revelar e discutir as mais diferentes facetas humanas em um universo pós-apocalíptico de aridez e ventania.

Como forma de aprofundar a sua pesquisa cênica, gestual e imagética, a Cia. optou por não utilizar a palavra oralizada colocando o foco da criação no trabalho corporal dos intérpretes em diálogo com as melodias compostas pela musicista e pesquisadora Lívia Mattos e pelo músico Paulim Sartori que se uniram a equipe para criarem a trilha sonora original do espetáculo. É a primeira vez que os músicos trabalham com a Solas de Vento.

O projeto é contemplado pela lei de fomento ao Circo de 2020 da Secretaria Municipal de Cultura da cidade de São Paulo.

A união na diferença
O sexto espetáculo da Cia. Solas de Vento propõe uma discussão de futuros possíveis, utopias e distopias, potências e impotências. O processo de criação do espetáculo começou em 2017, durante as comemorações de 10 anos da Solas de Vento e foi intensificado em 2018. Tudo isso em meio a inquietações e incertezas políticas e de uma tempestade midiática e ecológica (que perdura até hoje).

A dramaturgia traz quatro personagens, que representam arquétipos de diferentes formas de lidar com a realidade posta. São eles: a razão, a espiritualidade, a natureza e um que transita pelos três e faz a conexão com a plateia. Apesar de serem personagens muito diferentes, eles têm que conviver e enfrentar essa força que vem de fora – o vento – e que está ali para destruir. No olho do furacão, a união dessas quatro pessoas tão diferentes é uma forma de resistência.

E é em um furacão que o espetáculo começa. Em uma primeira tempestade, com os quatro personagens agarrados a uma estrutura aérea, um boxtruss autoportante, tentando manter-se vivo cada um com a sua verdade e ao mesmo tempo tentando conviver, apesar das diferenças.

Em cena são várias expressões utilizadas – circo, dança, teatro, música… Entre as técnicas circenses empregadas estão o pole dance (com mastro pendurado), variações de malabares (com objetos de cena como livros e leques), números de equilíbrio, dança com acrobalance e menções a números aéreos, como cordas e uma estrutura que relê um caleidoscópio.

Para criar os efeitos de ventania, há efeitos de luz e cenário, criados por Marcel Alani no desenho de luz e Luana Alves na co-criação da cenografia e produção de arte. Juntos eles trouxeram mobilidade, porosidade e dinâmica às imagens criadas não apenas pelos corpos dos artistas em cena como também as imagens projetadas em telas pelo espaço.

Sobre a Companhia Solas de Vento
A companhia Solas de Vento nasceu em 2007 na cidade de São Paulo, da parceria entre Ricardo Rodrigues e Bruno Rudolf, cada qual com um passado, uma história e uma cultura diferente. O trabalho artístico da dupla direcionou-se, assim, para a reflexão em torno das relações interpessoais, de um imaginário sobre terras e culturas distantes e ainda, sobre o que permite aproximá-las. Assim, as criações

da companhia – como “Homens de Solas de Vento” (2007), “Os Perdidos” (2010), “A Volta ao Mundo em 80 dias” (2011), “Memória Roubada” (2013), “Viagem ao Centro da Terra” (2015) e 2O.OOO Legias Submarinas (2021) – abordam, muitas vezes sem o uso de palavras, os temas da viagem, da ideia de encontros possíveis com outras culturas, outros horizontes reais e imaginários, em performances cênicas que mesclam teatro, artes circenses, teatro físico, dança contemporânea e projeção de vídeo.

Por sua originalidade, a Cia. Solas de Vento já se consolidou na paisagem nacional das artes cênicas, percorrendo mais de 50 cidades do Brasil de Norte a Sul, recebendo prêmios e apoios municipais, estaduais e federais.

A companhia está construindo uma carreira no exterior como referência brasileira em produções cênicas criativas e de qualidade: apresentou-se no festival PlusBrasil (Alemanha), no Tokyo Metropolitan Theatre (Japão), no Uijeongbu Festival (Coréia do Sul) e no Shanghai International Children’s Festival (China) e uma turnê por 9 cidades.

Vento

com Cia Solas de Vento

Temporada presencial

De 7 a 23 de outubro de 2021

Classificação: Livre

Gênero: circo | teatro gestual

Ingressos: grátis

Duração: 50 minutos

Tendal da Lapa (R. Guaicurus, 1100, Lapa): dias 7 e 8 de outubro, quinta e sexta-feira, às 19h | Lotação e Retirada de ingressos restritas às regras do local

Centro de Referência da Dança (Galeria Formosa Baixos do Viaduto do Chá s/n, Praça Ramos de Azevedo, Centro): 16 e 17 de outubro, sábado e domingo, às 16h | Lotação e Retirada de ingressos restritas às regras do local

Teatro Flávio Império (Rua Prof. Alves Pedroso, 600, Cangaíba): dias 22 e 23 de outubro, sexta-feira e sábado, às 19h | Lotação e Retirada de ingressos restritas às regras do local

Mais informações:

www.solasdevento.com.br

facebook: Cia Solas de Vento

instagram: solasdevento

Tags

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Busca

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Anália Franco: 11 99568-7320
Morumbi: 11 93040-2110

Escola de Teatro

Agende uma aula experimental
Whatsapp 11 96591 9915

Parceiros

Facebook

Arquivos

Quem Escreve

Ana Paula

Sou Ana Paula Alcântara Porfírio, trabalho em horário integral como mãe, sou casada, com um príncipe chamado Júnior, tenho dois filhos a Manuella e o Arthur, que fazem meus dias mais felizes!

Vou dividir com vocês nossos passeios, dicas de programas com crianças, experiências e sentimentos da maternidade!