Adolescência e meningite: saiba a importância da prevenção nesta faixa etária

Estamos acompanhando nos noticiários diversos casos de meningite meningocócica pelo país, principalmente em crianças. 1-3 Mas, embora muitos desconheçam, a doença pode acometer pessoas de todas as idades, inclusive adolescentes. 4 E, no mês em que se celebra o Dia do Adolescente, em 21 de setembro, é fundamental falarmos sobre como é essencial a vacinação desta faixa etária para a prevenção de doenças como a meningite meningocócica. 4-6,13

Causada pela bactéria Neisseria meningitidis – também chamada de meningococo –, a meningite meningocócica é uma inflamação das membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal, podendo causar sequelas e até mesmo levar a óbito em 24 horas. 4-6 Ela possui pelo menos 12 sorogrupos, sendo que seis deles são os mais comuns (A, B, C, W, X e Y). 12,14

Assim como acontece com outras doenças de transmissão respiratória, o meningococo pode ser facilmente transmitido de uma pessoa para outra por meio do contato direto com gotículas ou secreções respiratórias através de tosse, espirro e beijo, por exemplo. 4-6 E um ponto de alerta é: até 23% dos adolescentes e jovens adultos podem ser portadores da bactéria causadora da meningite meningocócica e podem transmiti-la sem necessariamente desenvolver a doença. 7 O comportamento do adolescente é naturalmente um fator de risco para a transmissão da bactéria e por isso, a vacinação se torna tão importante para esse público. 4-6

Ana Medina (CRF-RJ 24671), farmacêutica, pós-graduada em imunologia e gerente de assuntos médicos de vacinas da biofarmacêutica GSK, explica: “As crianças menores de um ano de idade são as que têm maior risco de adoecer, no entanto, os adolescentes e adultos jovens são os principais responsáveis pela manutenção da circulação da doença. Eles podem transmitir a bactéria sem necessariamente desenvolver a doença, sendo chamados de portadores assintomáticos. E o estilo de vida e comportamentos dessa faixa etária podem propiciar ainda mais a transmissão da bactéria, como, por exemplo, compartilhar copos e objetos, algo tão comum entre os adolescentes. Por isso, a vacinação desta faixa etária é essencial para oferecer proteção direta para os adolescentes e, também, no caso dos sorogrupos A, C, W e Y, para diminuir a colonização e a propagação da bactéria entre a população”.

Principais formas de prevenção


De acordo com o Ministério da Saúde e as Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) e Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), os adolescentes devem seguir o esquema vacinal recomendado para a idade. Diversas vacinas estão disponíveis na rede pública de saúde e na rede privada. 8-10

A vacina meningocócica ACWY está disponível gratuitamente nos postos de saúde para vacinação de rotina dos adolescentes de 11 a 12 anos, e temporariamente para adolescentes de 13 a 14 anos, até dezembro de 2023. A vacina meningocócica ACWY previne quatro sorogrupos diferentes que causam a doença. 10 Essa vacina também está disponível na rede privada para outras faixas etárias e é recomendada nos calendários das sociedades médicas da criança e do adolescente a partir dos 3 meses de idade. 8,9 Para a prevenção da doença causada pelo sorogrupo B, a vacina está disponível nas clínicas privadas e é recomendada pelas sociedades médicas para crianças e adolescentes a partir dos 3 meses de idade. 8,9

“Vale reforçar que o calendário vacinal está sempre mudando e incluindo novas vacinas. Devido à disponibilidade de vacinas, aumento de casos e alguns surtos, alguns estados do país ampliaram a vacinação contra a doença meningocócica C ou ACWY para adolescentes até 19 anos, grupos especiais e profissionais de saúde, por exemplo. Então, é essencial que o adolescente e os pais procurem um profissional de saúde para se informar sobre a situação vacinal e necessidade de completar doses faltantes. Caso o adolescente não tenha recebido alguma dose na infância, ou seja, não tenha sido vacinado na idade preconizada, é necessário atualizar a caderneta de vacinação o mais rápido possível”, alerta Ana Medina, que complementa:

“É importante mencionar também que alguns adolescentes podem ter sido vacinados na infância contra a meningite meningocócica causada pelo sorogrupo C, que foi disponibilizada no país pelo Programa de Imunizações para lactentes a partir do ano 2010 e para adolescentes de 11 e 12 anos a partir do ano 2017. Os adolescentes que foram vacinados com essa vacina na infância podem fazer o reforço na rede pública com a vacina ACWY se estiverem entre 11 e 12 anos de idade, ou atualizar a vacinação com as vacinas ACWY e B na rede privada, de acordo com esquema adequado para a idade e recomendação médica”.

Além das vacinas contra a meningite meningocócica, as redes pública e privada disponibilizam aos adolescentes vacinas contra diversas outras doenças. Alguns exemplos são as vacinas hepatite B, febre amarela, sarampo, caxumba e rubéola (através da vacina tríplice viral), difteria, tétano e HPV, disponíveis nas redes pública e privada; e também as vacinas hepatite A, catapora, gripe, coqueluche, dengue e meningocócica B, disponíveis para o adolescente apenas na rede privada. 8-10

No caso da meningite meningocócica, outras formas que também podem ajudar na prevenção incluem evitar aglomerações e manter os ambientes ventilados e limpos. 11

“Os sinais e sintomas iniciais da meningite meningocócica incluem febre, irritabilidade, dor de cabeça, perda de apetite, náusea e vômito, e podem ser facilmente confundidos com outras doenças infecciosas, como a gripe, por exemplo. Por isso, é essencial ficar atento aos sinais e, caso tenha piora dos sintomas ou o aparecimento de outros sinais como pequenas manchas arroxeadas na pele, rigidez na nuca e sensibilidade à luz, é preciso procurar um atendimento médico o mais rápido possível. Sem atendimento e tratamento médico adequados, há um maior risco da evolução da doença para quadros mais graves e óbito. Por conta da gravidade e rápida evolução, além das formas de prevenção, como não compartilhar objetos e cobrir a boca ao tossir ou espirrar, a vacinação segue como a melhor forma de prevenção”, finaliza Ana Medina.

Material destinado ao público em geral. Por favor, consulte o seu médico.

Tags

Busca

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Anália Franco: 11 99568-7320
Morumbi: 11 93040-2110

Escola de Teatro

Agende uma aula experimental
Whatsapp 11 96591 9915

Sampa com Família

Parceiros

Facebook

Arquivos

Quem Escreve

Ana Paula

Sou Ana Paula Alcântara Porfírio, trabalho em horário integral como mãe, sou casada, com um príncipe chamado Júnior, tenho dois filhos a Manuella e o Arthur, que fazem meus dias mais felizes!

Vou dividir com vocês nossos passeios, dicas de programas com crianças, experiências e sentimentos da maternidade!