GRATUITO – Espetáculo mescla dança indiana com cultura popular brasileira no Teatro Arthur Azevedo

A história de amor, que chegou ao Brasil nas caravelas portuguesas, entre uma princesa mourisca e dois cavaleiros é o ponto de partida do espetáculo CANTIGA MOURA – UMA FÁBULA INDO-BRASILEIRA. A nova montagem do Núcleo Prema faz apresentações gratuitas dias 27 e 28 de janeiro, sábado e domingo, às 16h, no Teatro Arthur Azevedo e mescla dança indiana com a cultura popular brasileira unindo teatro, dança, música, teatro de bonecos e manipulação de objetos.

Com dramaturgia e composições musicais de Irani Cippiciani, que está no palco ao lado de Cassiana Rodrigues, Cintia Kawahara, Krishna Sharana e Rosana Araujo, e direção de cena de Edilson Castanheira, CANTIGA MOURA – UMA FÁBULA INDO-BRASILEIRA utiliza a estrutura de criação e composição cênica indiana chamada Abhinaya, que consiste em utilizar o corpo, as expressões faciais e os gestos de mão codificados para contar histórias.

Aliada a essa técnica, o espetáculo – contemplado pela 33ª Edição do Programa de Fomento à Dança para Cidade de São Paulo – liga o fazer único de diferentes manifestações culturais brasileiras, como o Bumba-meu-Boi e o Lelê maranhense, o Cavalo Marinho e o Caboclinho pernambucano e o Congado mineiro, de também contar histórias através de autos, folias, festas, cordões e procissões, com a dramatização tão presente nas danças indianas, ou seja, a narração de histórias interpretadas, cantadas e dançadas.

Em cena, o público acompanha a história de uma princesa disputada por dois cavaleiros, um cristão e outro mouro. Irani Cippiciani explica, que o conto antigo, onde o cavaleiro cristão sequestra a princesa e mata o cavaleiro mouro, foi sendo suavizado com o tempo para se transformar em um conto infantil e chega em CANTIGA MOURA – UMA FÁBULA INDO-BRASILEIRA com uma nova roupagem. “Agora a protagonista da história é a princesa, que não precisa decidir com qual cavaleiro quer seguir. Ela é livre e pode até se permitir ficar sozinha, cuidando da própria vida. Desse modo, a personagem feminina protagoniza a tríade arquetípica da princesa-donzela-guerreira, que transpassa nosso imaginário popular em muitos contos, poemas e canções”.

Narrativa musical e gestual

Na dança indiana a música é a narrativa que conta todo o enredo, ou seja, é parte fundamental da montagem. Por isso, as composições são em português, para trazer a estética indiana para junto do público. Desse modo, cabe a música contar a história, criar seus tempos, silêncios, cadências; criar as tônicas emocionais e pontuar, contornar, negar ou emoldurar os movimentos, as gestualidades dos dançarinos. “A pesquisa musical para este espetáculo é tão importante quanto a pesquisa corporal e gestual, porque há uma interdependência clara entre elas. A narrativa, neste caso, é musical, mas a sonoridade precisa estar intimamente vinculada a construção dos movimentos corporais que se alternam entre movimentos rítmicos e narrativos. A compreensão da língua é essencial”, conta Irani.

A trilha sonora original vem sendo composta, desde 2016, em etapas e envolve uma equipe de músicos indianos e uma equipe de músicos brasileiros. A primeira etapa já foi realizada na Índia em 2016, em parceria com os músicos da Triveni Academy of Natya. A segunda etapa consistiu, justamente, na gravação das demais partes da trilha sonora, contando com a participação de músicos brasileiros convidados. Ao todo são 12 faixas musicais, sendo três compostas na Índia e nove no Brasil.

CANTIGA MOURA – UMA FÁBULA INDO-BRASILEIRA é a segunda parte de uma trilogia cênica unindo a dança indiana e a cultura brasileira, intitulada PADAM: à procura de um corpo narrativo. O projeto nasceu fortemente vinculado a uma ideia de brasilidade, apresentada por Darcy Ribeiro, que é tríplice: ameríndia, africana e europeia. Oré Yéyè o, Oxum Tarangam, primeiro espetáculo da trilogia, falava sobre a cultura africana, agora o Núcleo Prema se debruça sobre a europeia e o terceiro e último espetáculo se voltará para os povos originários.

“No caso específico desta montagem, celebramos nossa herança ibérica que, em termos culturais, é profundamente marcada pela cristandade e pela influência otomana (árabe), mas que, em terras brasileiras, se funde ao imaginário ameríndio e africano, produzindo manifestações culturais híbridas e, exatamente por isso, únicas. Elas não são uma invenção europeia, mas uma construção genuinamente brasileira”, esclarece Irani Cippiciani.

Memórias e culturas

O ocidente cristão e o oriente islâmico são duas camadas de memória amalgamadas pela história que será contada em CANTIGA MOURA – UMA FÁBULA INDO-BRASILEIRA. Porém, como a poética do espetáculo envolve o diálogo da cultura indiana com a cultura brasileira, as Índias e as Áfricas completam o entrecruzar de memórias e culturas que se farão surgir por meio da Arte.

Os objetos culturais escolhidos para metaforizar as camadas entrecruzadas de memórias entre essas culturas foram o tecido e o traje. O algodão indiano (conhecido como chita), os panos da costa africanos e as rendas europeias estão entre os elementos que mais penetraram os continentes se infiltrando nos costumes, na moda, nos rituais religiosos e na economia. Turbantes, calçolas, saias, xales, mantilhas e véus, joias, sapatos, guarda-sóis e estampas complementam um imenso acervo inspirador de trocas culturais entre as quatro matrizes de referência.

Irani Cippiciani conta que o Núcleo Prema nasceu em 2007 como uma escola de danças indianas. Em 2009, ele se tornou um grupo de pesquisa e apenas em 2013 uma companhia de dança, com um propósito definido. “Como dançarina eu me questionava sobre a pertinência de praticar dança indiana no Brasil. Aos poucos, percebi que o que mais me interessava nessa técnica era seu imenso potencial expressivo-narrativo. Por meio do Abhinaya, habilidade de contar histórias através do corpo, do gesto, das expressões faciais codificados, numa íntima e profunda relação entre palavra, som, ritmo, cor e beleza da forma, encontrei um caminho de aproximação entre o Brasil e a Índia”.

CANTIGA MOURA – UMA FÁBULA INDO-BRASILEIRA

Com o Núcleo Prema

27 e 28 de janeiro, sábado e domingo, às 16h.

Teatro Arthur Azevedo – Av. Paes de Barros, 955 – Alto da Mooca, São Paulo.

Livre | 60 minutos | Ingressos gratuitos.

Tags

Busca

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Anália Franco: 11 99568-7320
Morumbi: 11 93040-2110

Sampa com Família

Parceiros

Facebook

Comments Box SVG iconsUsed for the like, share, comment, and reaction icons

Arquivos

Quem Escreve

Ana Paula

Sou Ana Paula Alcântara Porfírio, trabalho em horário integral como mãe, sou casada, com um príncipe chamado Júnior, tenho dois filhos a Manuella e o Arthur, que fazem meus dias mais felizes!

Vou dividir com vocês nossos passeios, dicas de programas com crianças, experiências e sentimentos da maternidade!