O papel dos pais no combate à violência nas escolas

Ante a triste recorrência de ataques e assassinatos nas escolas, é necessária uma análise holística do problema para entender suas causas e combatê-lo de modo eficaz. A externalização dessa violência injustificável tem, na realidade, raízes em conflitos internos que não foram devidamente tratados na origem. A questão é complexa, a começar pelo fato de muitos pais, diante de uma vida atarefada, delegarem a educação e o cuidado dos filhos aos professores. Porém, a finalidade precípua das escolas é a formação acadêmica.


As duas fases da vida que exigem mais atenção e acolhimento são os primeiros sete anos e os sete subsequentes, até os 14. É nessa idade que se formam as características de caráter, personalidade e valores e que se começa a experimentar o mundo lá fora. A ausência dos pais na vida das crianças a deixam no modo “automático”, suscetíveis e expostas a todas as interferências e opiniões externas, sem filtros e orientação para enfrentar seus problemas.

Consequentemente tem-se, de um lado, o excesso de liberdade e, de outro, insegurança. Assim, problemas de comportamento e relacionamento começam a acontecer, e com enormes dificuldades de serem contidos, pois a criança não aprendeu sobre os limites da vida e não entende que seu direito termina onde começa o dos outros. Agressões em sala de aula, bullying, desrespeito aos professores e aos colegas e falta de empatia e solidariedade tornam-se recorrentes. O mais preocupante é que alguns pais, infelizes com o desenvolvimento de seus filhos, insistem em projetar a culpa do insucesso na escola e não têm tempo ou inteligência emocional para contribuir.
 

Soma-se a isso a presença das mídias sociais, cujas consequências – não só às crianças – podem ser terríveis. Não saber lidar com suas dinâmicas é o caminho certo para a baixa autoestima e a depressão. O ser humano muito além da superficial imagem do mundo virtual. Nosso verdadeiro olhar deve ir muito além das “cascas”. Ou seja, enxergar e estar em contato com a verdadeira essência das pessoas. Isso é justamente o que as redes ajudam a esconder muito bem, de modo a passar uma imagem às crianças de que tudo está perfeito lá fora, gerando a falsa e perigosa impressão de que as inseguranças e medos ocorrem apenas com elas.

As crianças e os adolescentes devem ser verdadeiramente escutados e trabalhados em suas forças e fraquezas, para que tenham consciência de que as dificuldades estão presentes na vida de todos. Na falta dessa orientação, eles não se fortalecerão e acabarão apoiando-se em muitas ideias estapafúrdias disponíveis na Internet, alimentando ódio ou buscando fuga nos mais variados vícios.

Outro problema refere-se à forma como o processo de inclusão está ocorrendo. Tamanha é a vontade de determinadas pessoas de promover a inclusão de uns, que acabam forçando um caminho perigoso de exclusão de outros. Para incluir, não é necessário excluir. Com isso, aquilo que deveria ser um processo orgânico, passa a ser algo forçado e não planejado, fazendo com que o próprio incluído sinta-se uma peça estranha no tabuleiro. O efeito torna-se rebote.

Não se deve, por exemplo, terminar com o Dia dos Pais e o Dia das Mães para dar lugar ao Dia da Família. Que façam todos, pois podem coexistir em harmonia. Excluir os primeiros, como vem acontecendo, gerará polarização e desarmonia no processo de inclusão.

Algo que pode contribuir é uma dinâmica em círculos nas escolas, ministrada por profissionais especialistas e com participação assistida dos pais, a fim de permitir que crianças trabalhem suas forças e fraquezas, enaltecendo o seu lado bom e gerando união e compaixão para apoio nos temas de maior dificuldade. Com isso, percebem que a vida vai muito além daquilo que os olhos veem. Aprendem a enxergar verdadeiramente o outro e legitimar suas dificuldades, nomear os seus sentimentos e dos amigos, estender a mão e ajudar quando possível. Isso evita substancialmente o advento do conflito e gera empatia e união, e as crianças têm muito menos chances de se sentir excluídas, inseguras, debochadas ou criticadas, num verdadeiro processo de melhoria e evolução coletivo.

Esse círculo restaurativo ajudará as escolas na criação de um ambiente seguro e de conforto às crianças para poderem externar e tratar coletivamente suas necessidades. Com isso, os alunos são fortalecidos internamente, afastando-se os males do bullying e gerando espírito de união. Cada um contribui um pouco para o fortalecimento do outro.
 

Essa é uma das formas poderosas de comunicação e neutralização dos problemas nas escolas. É um modo de valorizar as características de cada um e ajudar as crianças a entenderem que todos passarão, ao longo da vida, pelo desafio de desenvolverem e enfrentarem suas dificuldades. Esses círculos também proporcionarão o fortalecimento pessoal das crianças, para que fiquem mais bem-preparadas para os conflitos internos e externos, evitando que essas interferências as abalem o mínimo possível. Forma não apenas crianças mais seguras, mas, em alguns anos, adultos bem-resolvidos e mentalmente saudáveis.
 

Em qualquer canto do mundo, onde houver crianças felizes, haverá sonhos, alegria e esperança de um futuro melhor.


*Rubens Decoussau Tilkian, advogado especialista em mediação e gestão de conflitos, autor do livro “Comentários à Lei de Mediação”, criador de método para neutralizar conflitos empresariais e familiares, é Master Coach, Practitioner certificado em Programação Neurolinguística e possui credencial como Analista Comportamental da Inscape Publishing.

Tags

Busca

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Anália Franco: 11 99568-7320
Morumbi: 11 93040-2110

Escola de Teatro

Agende uma aula experimental
Whatsapp 11 96591 9915

Sampa com Família

Parceiros

Facebook

Arquivos

Quem Escreve

Ana Paula

Sou Ana Paula Alcântara Porfírio, trabalho em horário integral como mãe, sou casada, com um príncipe chamado Júnior, tenho dois filhos a Manuella e o Arthur, que fazem meus dias mais felizes!

Vou dividir com vocês nossos passeios, dicas de programas com crianças, experiências e sentimentos da maternidade!