Modelo de Ensino de 2 Séculos Atrás: Ainda Faz Sentido Usamos nas Escolas?

Inovações colocadas em prática por instituições de vários países trazem novas perspectivas para reformular as salas de aula. Antes das primeiras escolas, crianças e adultos conviviam todo o tempo. Os ofícios eram passados de pai para filho. O ferreiro ensinava o filho a forjar, a tecelã ensinava a filha a tecer. Esse modelo não diferenciava muito a infância e trazia no seu âmago a desigualdade. Como fazer se o filho do camponês quisesse ser ferreiro? A sociedade era rígida em sua divisão. Por volta do ano 4000 a.C., os sumérios ensinavam, em casa, seus filhos a escrever, segundo alguns registros.

Depois disso, a História conta que Platão, em Atenas, nos jardins de Academo — de onde surge o termo “academia” — ensinava seus discípulos numa espécie de escola, onde, por meio de questionamentos, se estudava matemática e filosofia.

A palavra “escola” vem do grego scholé e significa “lugar do ócio”. Essa era a ideia dessas primeiras escolas. Eram lugares onde as pessoas iam, no seu tempo livre, para discutir e aprender. Surgiram na sequência os preceptores, contratados por famílias ricas da Grécia, para ensinar seus filhos. Assim foi Aristóteles com Alexandre, o Grande.

A educadora, psicopedagoga e especialista em neurociência Kátia Chedid comenta que, hoje, encontramos uma gama de escolas que vão do ensino tradicional, com exigência extrema, visando resultados, a escolas com propostas muito alternativas. As linhas teóricas e os métodos de aprendizagem trabalhados nas faculdades de pedagogia embasam a prática educacional na atualidade. Algumas frentes contrárias questionam essa ou aquela prática, mas, basicamente, tanto a formação como a prática do professor estão baseadas nos teóricos conhecidos dos pedagogos, como Jean Piaget, Lev Vygotsky e Henri Wallon, apenas para citar alguns.

Demandas do Século XXI, encontramos em escolas pelo mundo salas de aula com disposição alternativa de mesas e cadeiras, espaços com computadores e lugares para trabalho individual e coletivo. Desenhos de espaços diferentes são cada vez mais comuns. “No entanto, as mudanças demandadas pela educação não se resumem à infraestrutura nem à incorporação de novas tecnologias em sala. Envolvem reinvenção de estratégias. Alguns exemplos de escolas que propõem mudanças de paradigmas começam a aparecer.” diz Kátia Chedid.

A ideia de “aprender a aprender”, em que independência e autonomia de aprendizagem são mais importantes do que o conteúdo, aparece, por exemplo, na Escola da Ponte, em Portugal, que trabalha com processos coletivos de aprendizagem. Outras escolas apostam nos jogos como estratégias de aprendizado, como a Quest to Learn, em Nova York, que usa games para ensinar conteúdos.

“Eu queria criar uma escola em que as crianças entrassem dizendo ‘Eu amo vir aqui’”, diz o fundador da Ron Clark Academy, uma escola na Geórgia que trabalha com o conceito de “mídia-educador” — a pedagoga Kátia Chedid fala que o professor deve se apropriar dos recursos presentes na vida dos jovens, como tecnologia e as mais variadas artes, e incorporá-los às aulas. Propostas que envolvem tecnologia com ambientes virtuais de aprendizagem, videoaulas, sala de aula invertida e ensino híbrido, entre outras, aliás, estão cada vez mais presentes na rotina do estudante deste século.

Mas o que a neurociência tem a dizer sobre tudo isso? Apenas no final do século XX começamos a entender melhor como o cérebro funciona e os processos envolvidos na absorção de novas informações. Alguns estudos da neurociência corroboram os conceitos dos já mencionados Piaget, Vygotsky, Wallon e outros pensadores que influenciaram a pedagogia e dos quais nunca devemos abrir mão — achados neurocientíficos reforçam muito do que eles escreveram e pensavam.

Em contrapartida, a ciência também tem sido útil para invalidar algumas práticas. Dois exemplos comuns: a pressão excessiva do professor por resultados e o clima de estresse constante. “Sabemos que, exposto ao estresse diário, o córtex pré-frontal — área relacionada, entre outras funções, ao planejamento e à tomada de decisões — pode ‘paralisar’, levando o aluno à confusão mental e não raro ao pânico — o famoso ‘branco’ na hora de uma prova…” ressalta a especialista em neurociência.

“A educação recebe as novidades neurocientíficas com curiosidade e receio. Poucas faculdades de educação colocam em seu currículo aulas de neurociência, embora todos saibam que o cérebro é o ‘motor’ da aprendizagem. Continuamos agindo na educação como um mecânico que trabalha com o carro e ignora o que acontece com o motor — muitas vezes não sabe nada sobre os mecanismos básicos dessa peça…” finaliza Kátia Chedid.

Tags

Busca

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Anália Franco: 11 99568-7320
Morumbi: 11 93040-2110

Escola de Teatro

Agende uma aula experimental
Whatsapp 11 96591 9915

Sampa com Família

Parceiros

Facebook

Arquivos

Quem Escreve

Ana Paula

Sou Ana Paula Alcântara Porfírio, trabalho em horário integral como mãe, sou casada, com um príncipe chamado Júnior, tenho dois filhos a Manuella e o Arthur, que fazem meus dias mais felizes!

Vou dividir com vocês nossos passeios, dicas de programas com crianças, experiências e sentimentos da maternidade!